Resumo

Introdução: O fibroedemagelóide (FEG) é considerado antiestético, de caráter multifatorial causando um mau funcionamento do sistema circulatório e das transformações do tecido conjuntivo, podendo resultar em dor local e até mesmo diminuição das atividades funcionais. O estrógeno influência de forma significativa no surgimento do FEG, pois ele pode modificar o equilíbrio das proteoglicanas e glicosaminoglicanas na substância fundamental amorfa. Objetivo: Avaliar a relação entre a dosagem de estradiol e o grau de acometimento do fibroedemagelóide. Métodos: Trata-se de uma pesquisa observacional descritivo, a amostra foi composta por 40 indivíduos do sexo feminino, com faixa etária entre 17 e 45 anos de idade. A avaliação foi realizada através do PAFEG (validado) para análise do grau e forma clínica do FEG e também foi realizado exame da dosagem de estradiol na fase ovulatória de cada participante, ou seja, no 14º dia de um ciclo menstrual de 28 dias. Resultados: Os valores de normalidade do estradiol nessa fase variam entre 49 a 450 pg. Os resultados encontrados foram baseados nos valores da média da dose de estradiol de cada grupo: 250,37 para o grupo de FEG grau 1, 241,48 para o grupo de FEG grau 2 e 178,34 pg para o grupo de grau 3, portanto, os valores de estradiol estão dentro da faixa de normalidade, independente do grau do FEG. De acordo com estes dados foi possível avaliar que uma correlação negativa entre dosagem de estradiol com o grau do fibroedemagelóide (p= 0,032) e com a idade (p= 0,046) esta correlação foi positiva e significativa. Conclusão: A verificação da falta de uma relação entre o FEG e os níveis de estradiol pode ser justificada pelo caráter multifatorial da celulite, bem como a influência desse hormônio nas adaptações do tecido adiposo e conjuntivo e os sistemas circulatório e linfático.